Pages

quinta-feira, 25 de julho de 2013

"Não é do debate político que ele trata em seus escritos, as ofensas tem um caráter pessoal!"


Após várias críticas tecidas por Ernani Maia, o vereador e atual Presidente da Câmara Nonato Baleco resolveu quebrar o silêncio e falar sobre os possíveis motivos que teriam levado o dentista a grudar em seu pé.




 
Por: Nonato Baleco - Vereador 


Depois que fui eleito presidente da câmara municipal, o odontologista travestido de blogueiro Ernani Maia grudou em mim que nem chulé de tênis velho, daqueles que molha no pé e não sai por nada nesse mundo. O cabra passou a ter uma verdadeira fixação, coisa de paranoico mesmo. 
 

Hoje fui rever os textos que ele escreveu no afã de ofender, desqualificar e ferir-me. Vejam só, descobri que os mesmos foram postados as 03h30min (dia 23 de abril), as 05h59min (dia 30 de junho) e as 04h39min (dia 22 de julho). Isso mesmo altas horas da madrugada. Observem bem que o dito cujo nas madrugadas tem insônia abandona o calor do leito conjugal e debruça-se a pensar e escrever sobre mim. Devo estar incrustado em sua mente doentia, coisa que nem as seguidas sessões de terapia & arte têm resolvido. É psicopatia mesmo.


Outro dia na tribuna da câmara rebati mais uma canalhice deste falso escriba, e se o chamei de canalha, foi porque, segundo dizem, o seu pai, o conhecido medico Dr. Curtius Bezerra, quando agredido e ameaçado pelo filho violento dizia “coloquei um canalha no mundo” e pra mim palavra de pai tem uma força divina, não da pra contestar. O que eu não o chamei foi de imbecil, adjetivo que foi usado por seu cunhado, o ex-vereador Aldir Jr., no saguão da agência da Caixa Econômica para qualificá-lo, ao me dizer que não concordava com essa perseguição obsessiva que ele dirigia a mim e que inclusive já tinha conversado com sua irmã. Com familiares, pessoas que o conhecem bem, dizendo estas coisas a seu respeito, o que mais eu posso dizer.


Não é do debate político que ele trata em seus escritos, as ofensas tem um caráter pessoal, motivado talvez, como diz Eduardo Braga, por não aceitar que a madrugada do dia primeiro de janeiro e a eleição da câmara tenham acabado. Será que foi pelo champanhe, os salgados e as frutas da festa que ele pagou e que foram distribuídos para o povo que estava na praça ou será que foi pelo fogo da churrasqueira que não foi aceso e a carne do churrasco guardada para outra ocasião. Talvez tudo isso continue remoendo dentro desta cabeça louca. Aceitem que foram derrotados pela arrogância e prepotência de vocês mesmos.


Tenho interesse em debater a política de Chapadinha, em ajudar a construir um novo caminho, uma nova forma de administrar voltada para o interesse da população. Começamos na Câmara Municipal a implantar um novo modelo, já avançamos, mas ainda há muito a ser feito e vamos continuar trabalhando nesse sentido. Não vou me perder nas picuinhas e nas querelas pessoais. As frustrações pessoais, cada um que cuide das suas.


A esse indivíduo recomendo o tratamento e acompanhamento médico e psicológico e se a as terapias não resolverem, lhe indico a Fazenda Esperança mantida pelos padres ali em Coroatá que tem recuperado muitos jovens de Chapadinha. Pode ser um caminho...


Por fim continuarei o meu trabalho, exercerei o período que me resta na presidência do legislativo e o meu mandato de vereador lutando pelos meus ideais.


E quanto a este elemento eu somente digo: 


LARGA DO MEU PÉ CHULÉ. VÁ DE RETRO.
Fonte: Blog do Alexandre.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário