Pages

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Cinco teorias conspiratórias para a renúncia do Papa.

Confira as novidades do nosso site: Professora Jane Andrade

Agora com caderno de esportes, Notícias do Maranhão, Brasil e Mundo, Estética e Beleza e links para você acessar e se preparar melhor para o Vestibular e Enem.

Veja agora em Brasil e Mundo:





 


"Mesmo se eu saísse agora, em oração, estarei sempre perto de vocês, e tenho certeza que vocês vão estar perto de mim, mesmo se eu ficar escondido do mundo." Com essas palavras o Papa se despediu dos bispos e sacerdotes do Vaticano, depois de ter renunciado ao cargo no dia 11 de fevereiro.

Mas o que poderia fazer o Papa querer se esconder do mundo? Desde o anúncio, surgem teorias de conspirações para tentar justificar a abrupta decisão do pontífice.

O que fica evidente frente as teorias, é que, se verdadeiras, mesmo não tendo relação direta com a renúncia, ter que lidar com qualquer uma delas (ou mais de uma) deve ser um fardo bem estressante para um senhor de 85 anos.

Relacionamos cinco que circulam por alguns meios de comunicação:

1. Complô de cardeais, que perderam poder e acesso ao dinheiro da Igreja quando Ettore Gotti Tedeschi, ex-Santander e filiado a Opus Dei, foi indicado em 2009 pelo Papa para presidir o Instituto para as Obras de Religião - o banco do Vaticano. O complô teria sido articulado pelo secretário de Estado Monsenhor Bertone, incomodado por Tedeschi ter supostamente descoberto contas secretas para lavar dinheiro de corrupção e da máfia. O banqueiro passou a ser investigado por lavagem de dinheiro pela polícia italiana e foi demitido sumariamente em 2012. O Papa, com a aprovação de uma comissão de cardeais, acabou de indicar o advogado alemão Ernst von Freyberg como novo presidente do banco. (fonte)

2. Contas secretas em paraísos fiscais para esconder dinheiro que a Igreja ganhou quando apoiou o fascismo de Mussolini. Segundo o The Guardian, são quase US$ 800 milhões em nome de empresas laranjas, que estariam usando o dinheiro para comprar propriedades no Reino Unido, França e Suíça. Uma intrincada estrutura de companhias offshore acoberta seus verdadeiros donos. Os jornalistas David Leigh, Jean François Tanda e Jessica Benhamou seguiram alguns rastros do dinheiro e chegaram até uma empresa da qual o Vaticano é dono, a suíça Profima SA. (fonte)

3. Em 2012 foi descoberto que o então mordomo de Bento XVI, Paolo Gabriele, estava roubando documentos secretos da Igreja, no episódio que passou a ser chamado de Vatileaks. Não se pode afirmar com certeza qual a totalidade dos segredos desviados, mas o jornalista Gianluigi Nuzzi, que recebia os documentos de Gabriele, lançou no ano passado o livro "Sua Santidade - As Cartas Secretas de Bento XVI" (lançado no Brasil pela Leya), onde relata corrupção, lavagem de dinheiro, intrigas e conspiração entre grupos rivais dentro da Igreja, e até uma tabela de subornos para quem quisesse marcar uma audiência com a Sua Santidade. Após o escândalo, o Vaticano contratou o jornalista Greg Burke, membro da Opus Dei e que já trabalhou na Time, Reuters e Fox News, para tentar limpar a imagem da Igreja. (fonte)

4. Novos escândalos sexuais estão para ser revelados. Em um dos casos, que teria ocorrido nos anos 80, um padre ligado ao então chefe da Arquidiocese de Munique e Frisinga, Joseph Ratzinger (futuro Bento XVI), foi transferido para se tratar com terapia depois de ser acusado de molestar garotos. (fonte)

5. Papa estaria com doença terminal e deve morrer dentro de alguns meses. Especula-se que seja Parkinson ou Leucemia. O Vaticano nega. (fonte)

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário