Pages

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Analfabetismo: dez anos depois, não saímos do lugar


Pesquisa revela que estamos estacionados no mesmo patamar desde 2002: apenas um em cada quatro brasileiros está plenamente alfabetizado.


 Nos últimos tempos, o acesso à Educação cresceu, mas, a despeito dessa boa notícia, a qualidade do ensino não melhorou. Há uma década, a porcentagem de cidadãos considerados plenamente alfabetizados permanece inalterada: 26%, segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), realizado pelo Instituto Paulo Montenegro e pela ONG Ação Educativa, em São Paulo. O levantamento avalia, por meio de uma prova, as habilidades de leitura, escrita e Matemática da população entre 15 e 64 anos. A classificação prevê quatro níveis: analfabetismo, alfabetismo rudimentar, básico e pleno. Os resultados divulgados em 2012 também revelam boas (embora discretas) notícias, como a queda de 39% para 27% do número de analfabetos funcionais - categoria que reúne os níveis analfabeto e alfabetismo rudimentar (leia o quadro abaixo).

Ao analisar a fundo esses dois cenários - a estagnação de uma categoria e o decréscimo de outra -, é possível afirmar que estamos fazendo a lição de casa pela metade. "Com a ampliação do acesso à escola, damos às pessoas a possibilidade de sair da condição de analfabetismo e chegar ao nível básico, mas não garantimos os meios para que elas atinjam o patamar pleno de alfabetização. Só a qualidade do ensino pode impulsionar esse salto", diz Ana Lúcia Lima, diretora executiva do Instituto Paulo Montenegro.


Nos últimos tempos, o acesso à Educação cresceu, mas, a despeito dessa boa notícia, a qualidade do ensino não melhorou. Há uma década, a porcentagem de cidadãos considerados plenamente alfabetizados permanece inalterada: 26%, segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), realizado pelo Instituto Paulo Montenegro e pela ONG Ação Educativa, em São Paulo. O levantamento avalia, por meio de uma prova, as habilidades de leitura, escrita e Matemática da população entre 15 e 64 anos. A classificação prevê quatro níveis: analfabetismo, alfabetismo rudimentar, básico e pleno. Os resultados divulgados em 2012 também revelam boas (embora discretas) notícias, como a queda de 39% para 27% do número de analfabetos funcionais - categoria que reúne os níveis analfabeto e alfabetismo rudimentar (leia o quadro abaixo).



Ao analisar a fundo esses dois cenários - a estagnação de uma categoria e o decréscimo de outra -, é possível afirmar que estamos fazendo a lição de casa pela metade. "Com a ampliação do acesso à escola, damos às pessoas a possibilidade de sair da condição de analfabetismo e chegar ao nível básico, mas não garantimos os meios para que elas atinjam o patamar pleno de alfabetização. Só a qualidade do ensino pode impulsionar esse salto", diz Ana Lúcia Lima, diretora executiva do Instituto Paulo Montenegro.


A previsão para o futuro não é animadora. Os resultados do Inaf indicam que, se continuarmos com as atuais políticas públicas de Educação, não vamos avançar: não poderemos contar com o boom nas matrículas de anos atrás, que ajudou a mudar os dados.


Para erradicar o analfabetismo absoluto nos próximos dez anos, reduzir pela metade o número de analfabetos funcionais (como prevê o Plano Nacional de Educação - PNE, ainda em tramitação no Congresso Nacional) e garantir que mais gente alcance o nível pleno, é preciso melhorar a qualidade do ensino regular e dar atenção à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Essa modalidade é a chance para quem não pode estudar e segue puxando o Inaf para baixo.


Uma década sem alfabetizar de verdade.


O número de analfabetos funcionais caiu e o de alfabetizados básicos subiu, mas a porcentagem de pessoas plenamente alfabetizadas não mudou
Uma década sem alfabetizar de verdade. Ilustração: Alice Vasconcellos
13 p.p. é o aumento no porcentual de pessoas que pertencem ao nível de alfabetismo básico

12 p.p. é a queda no porcentual dos analfabetos funcionais (analfabetismo e alfabetismo rudimentar)

p.p. : pontos porcentuais


Entenda os níveis utilizados pelo Inaf
ícone analfabetismo. Ilustração: Alice Vasconcellos
Analfabetismo
Inclui quem não realiza tarefas simples, como a leitura de palavras e frases, ainda que leia números familiares, como os de telefone e preços
ícone analfabetismo. Ilustração: Alice Vasconcellos
Alfabetismo Rudimentar
Diz respeito a quem localiza informações explícitas em textos curtos, lê e escreve números e sabe usar o dinheiro para pequenos pagamentos
ícone alfabetismo básico. Ilustração: Alice Vasconcellos
Alfabetismo Básico
Reúne os que leem e compreendem textos de média extensão e números na casa dos milhões e resolvem problemas com operações simples
ícone alfabetismo pleno. Ilustração: Alice Vasconcellos
Alfabetismo Pleno
Agrupa quem interpreta textos, compara e avalia informações, distingue fato de opinião e resolve problemas com porcentuais e cálculos de área

Fonte Instituto Paulo Montenegro e Revista Nova Escola.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário