Pages

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Saúde: É preciso romper o silêncio!

Dr. Levi Pontes de Aguiar
Fico muito bastante triste em perceber que a nossa população ainda não se deu conta que a saúde é um DIREITO de todos, garantido pela Constituição Federal e um dever dos governantes, e não um favor prestado pelos mesmos para garantir votos. Pois é assim que pensam nossos políticos, principalmente os clientelistas a garantir consultas, exames, remédios e cirurgias em troca de voto, corrompendo sua consciência. E infelizmente as pessoas ainda acham muito natural votar em quem lhes dá um desses favores, e assim acabam por não reivindicar seus direitos de cidadão.
Outro grande problema da saúde, pior que o subfinanciamento é a MÁ GESTÃO, onde os princípios éticos e fundamentais da fundamentais da administração pública são esquecidos, como a legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.
É incrível, como é exatamente o que não existe nessa administração, com total descaso as leis e as políticas públicas, pois faltam licitações claras, falta concurso público para preenchimento de vagas, e não simplesmente esses contratos fajutos pré-eleitoreiros em troca de votos.
Há autoritarismo nas decisões sem discussão com os funcionários da saúde, parte fundamental na qualidade da gestão.
Vejo como saída e melhor estratégia é o PSF, (Programa Preventivo de Saúde) reconhecido internacionalmente e copiado pelos países mais desenvolvidos do mundo. O serviço de atenção primária, que atende as pessoas em sua própria comunidade, resolvendo mais de 60% os problemas da comunidade e assim evitando o modelo antigo e retrógrado que era o hospitalmocêntrico. Mas aqui em nossa Chapadinha os PSF não funcionam, só existem no papel para fins de recursos junto ao Ministério, com isso causando superlotação aos hospitais de urgência e emergência, transformando-os em verdadeiros ambulatórios, função essa que deveria ser exercida pelo Centro de Saúde Benú Mendes, que funciona hoje totalmente errado e precariamente, levando os hospitais a um verdadeiro caos.
É notório que falta treinamento, reciclagem e incentivos aos funcionários para que eles saibam lidar melhor com os doentes e seus familiares. Há ACS desmotivados, hospitais sucateados e com desabastecimento de rotina.
Infelizmente esta é a triste realidade de nossa Chapadinha.
As clínicas especializadas pactuadas pelo Governo, como cardiologia, ortopedia, oftalmologia e outros só funcionam em alguns finais de semana, como se doença escolhesse hora.
Minha conclusão é que o pior problema de Chapadinha além da má gestão e do desvio dos poucos recursos existentes é o silêncio da própria comunidade.
Será que perdemos a capacidade de nos indignarmos, de lutar por nossos próprios interesses que é a Saúde, Educação, Infraestrutura ( luz, água, limpeza urbana e vias públicas)?
Até quando a nossa sofrida comunidade vai suportar tudo isso e despertar para o resgate de sua cidadania, perdendo o medo de se expor, fazendo uma revolução para a melhoria das políticas públicas de Chapadinha?
Só depende de nós.
*Entrevista cedida ao Jornal a Tribuna setembro 2011

                      

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário