Pages

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Escolas da Rede Municipal de Ensino Comemoram o Dia dos Pais e o Dia dos Estudantes



Com o apoio cultural da Prefeitura de Chapadinha, por meio da Secretaria Municipal de Educação (SEMED) o dia dos Pais e o Dia do Estudante, ambos comemorados no inicio do mês de agosto, foram celebrados com muita alegria, sorteio de brindes e gincanas nas escolas da rede municipal de ensino.  



"A Secretaria de Educação não para, seja no trabalho seja nas comemorações alusivas nas escolas, nosso papel é bem mais do que educar, é proporcionar momentos de lazer que possam integrar a família a escola. Temos os melhores profissionais em nossa rede de ensino, me sinto feliz em poder contar com a participação deles na busca pelo nosso objetivo que é o de elevar os índices educacionais de Chapadinha" destacou a secretária de educação professora Vânia Cristina. 


A Pré-Escola Boa Vista, a Unidade Integrada Manoel José de Santana e a Unidade Integrada Sebastião Rodrigues Lobo realizaram suas atividades alusivas com pais e alunos, veja algumas fotos:

Continuando as ações da SEMED acontecerá neste sábado (18) uma comemoração alusiva ao Dia dos Pais na Unidade Integrada Agustinho Ribeiro de Aguiar, no Bairro Novo Castelo e na Educação Especial haverá a realização de um Mini Curso de Libras na Unidade Integrada José Sarney no Bairro Campo Velho.



















Prefeitura de Chapadinha, Justiça do Trabalho, Defensoria Pública e Ministério Público atuam para o fim do trabalho infantil






Defensor Público Dr. Jorge Melo, Juíza do Trabalho da Vara de Chapadinha Dra. Liliana Maria Ferreira Soares Bouéres, Secretária de Assistência Social de Chapadinha, Danúbia Carneiro.



A Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social/SEMAS, participou ontem (16) do I Fórum Regional Para a Erradicação do Trabalho Infantil e Estimulo a Aprendizagem da Vara de Trabalho de Chapadinha, realizado na biblioteca pública municipal.  



“A Prefeitura por meio da Secretaria de Assistência Social que, em parceria com o Tribunal Regional do Trabalho e Ministério Público e Defensoria Pública, tem por finalidade promover a luta pela erradicação do trabalho infantil e proporcionar às crianças uma educação de qualidade que lhes garanta um futuro melhor” afirmou Danúbia Carneiro secretária de assistência social.




Estiveram participando do evento representantes dos Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Programa Criança Feliz, Conselhos Tutelares, Coordenadores, Orientadores, Pedagogos, Psicólogos de programas e instituições sociais de proteção à criança e ao adolescente, Centro de Referência de Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), representantes do Selo UNICEF, gestores do programa Bolsa Família, secretários de Administração, Assistência Social, Educação, Cultura e Administração, Juíza do Trabalho, Promotor e Defensor Público participaram nesta quinta-feira (16) do I Fórum Regional para a Erradicação do Trabalho Infantil e Estimulo a Aprendizagem da Vara de Trabalho de Chapadinha.



As intuições e secretários participantes no Fórum Regional vieram de vários municípios, dentre eles: Chapadinha, Mata Roma, Anapurua, Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria, São Benedito do Rio Preto, Urbano Santos, Belágua, Vargem Grande, Coroatá, Presidente Vargas e Itapecuru Mirim. 


A ação visa, proporcionar uma amostra das atividades que contemplam o enfreamento dessa violação de direitos da criança e do adolescente, por meio de palestras, oficinas, medidas legais e troca de experiências com a rede envolvida na Erradicação do Trabalho Infantil. 


O objetivo do evento é informar, fomentar e chamar a atenção da sociedade para a urgente necessidade de se intensificar as ações e as estratégias voltadas para a erradicação do trabalho infantil e a proteção do mencionado público nestes municípios.




O evento aconteceu durante todo o dia e contou ainda com as seguintes palestras: 

  • “Trabalho Infantil no Século XXI” – Dra. Liliana Maria Ferreira Soares Bouéres, Juíza do Trabalho da Vara de Chapadinha. 

  • “Necessidade de fortalecimento das redes de proteção” – Dr. Gustavo Antônio Chaves Dias – Promotor de Justiça de Chapadinha. 

  • “Importância da atuação dos Conselheiros Tutelares na Erradicação do Trabalho Infantil” – Dr. Jorge Luís Ferreira de Melo – Defensor Público de Chapadinha.




quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Secretaria de Educação Investe na Educação Inclusiva em Chapadinha




A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VEM INVESTINDO NA MELHORIA DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)



O princípio fundamental da escola inclusiva é que todos aprendam juntos, independente de suas dificuldades, talentos, deficiência, origem socioeconômica ou cultural, não importando como ela pensa, age, anda, ouça ou enxergue.


O apoio da Prefeitura de Chapadinha por meio da Secretaria de Educação, vem buscando qualificar o atendimento da escola inclusiva. "Esse investimento caracteriza-se fundamentalmente pelo compromisso com o direito de todos à educação, a igualdade de oportunidades e a participação de cada uma das crianças, adolescentes, jovens e adultos nas várias esferas da vida escolar" disse a professora Vânia Cristina secretária de educação.


Entende-se por escola inclusiva aquela na qual o ensino e a aprendizagem, as atitudes e o bem-estar de todos os educandos são considerados igualmente importantes. É uma escola na qual não há discriminação de qualquer natureza e que valoriza a diversidade humana como recurso valioso para o desenvolvimento de todos; uma escola que busca eliminar as barreiras à aprendizagem para educar de forma igualitária. Na escola inclusiva todos são reconhecidos em sua individualidade e apoiados em sua aprendizagem.


O horizonte dessa política é o cenário ético dos Direitos Humanos, garantia do direito de todos à educação, ao acesso e às condições de permanência e continuidade de estudos no ensino regular.


"Diante desse cenário, o Atendimento Educacional Especializado (AEE) se configura como ação fundamental na garantia dos direitos e no atendimento às necessidades específicas de cada aluno, promovendo um processo ensino-aprendizagem eficaz que garanta a qualidade na educação" afirmou a Coordenadora da Educação Especial e Fonoaudiológica Dra. Kelsianne Aguiar.


OBJETIVO GERAL


Proporcionar aos alunos da educação especial, experiências e apoio pedagógico especializado que os auxiliem a superar ou minimizar as dificuldades encontradas no processo educacional e na vida diária. 

Alunos da educação especial: aqueles que têm impedimentos de longo prazo e natureza física, intelectual, ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas.


Público Alvo



Considera-se público-alvo do AEE:


Alunos com transtornos globais do desenvolvimento: aqueles que apresentam um quadro de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas relações sociais, na comunicação ou estereotipias motoras. Incluem-se nessa definição alunos com autismo clássico, síndrome de Asperger, síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos invasivos;


Alunos com altas habilidades/superdotação: aqueles que apresentam um potencial elevado e grande envolvimento com as áreas do conhecimento humano, isoladas ou combinadas: intelectual, acadêmica, liderança, psicomotora, artes e criatividade.


Salas de Recursos



As salas de recursos são espaços onde se realiza o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência, por meio do desenvolvimento de estratégias de aprendizagem, centradas em um novo fazer pedagógico que favoreça a construção de conhecimentos pelos alunos, subsidiando-os para que se apropriem e se beneficiem do currículo escolar e participem da vida social. Portanto, um espaço organizado com materiais didáticos, pedagógicos, equipamentos e profissionais com formação para o atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos com deficiência.




O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ESTÁ FUNCIONANDO NOS SEGUINTES PÓLOS:

  • Unidade Integrada Almada Lima Filho
  • U. I. Manoel José de Santana

  • U. I. Presidente José Sarney 
  • U. I. Francisco Isaias do Nascimento -  CAIC  
  • U. I. Professor Oliveira Roma

Na saída de motel, casal diz que não tem dinheiro e apresenta cartão do Bolsa Família para pagar despesas

Empresa não aceitou o pagamento com o cartão do benefício e chamou a polícia na noite de segunda-feira (13). Casal não foi preso. Regras do benefício dizem que famílias têm liberdade para usar o dinheiro.




Um casal apresentou o cartão do Bolsa Família na saída de um motel de Maringá, no norte do Paraná, e disse que não tinha dinheiro para pagar as despesas, na noite de segunda-feira (13).


Segundo a gerente do estabelecimento, Luzia Nogueira Batista, o casal queria pagar R$ 45,80 de produtos que foram consumidos com o cartão do benefício. Porém, a empresa não aceitou.


"Como eles informaram que só poderiam pagar o valor com o cartão do Bolsa Família e, pelas regras não podemos aceitar, chamamos a polícia", diz.


A Polícia Militar (PM) foi chamada e fez um registro de comunicação de ocorrência. Segundo a gerente, agora o motel tem cinco dias para fazer o Boletim de Ocorrência na delegacia.


"Vamos fazer o boletim para tentarmos receber esse dinheiro de volta", explicou a gerente.


A PM informou que ninguém foi preso nesse caso. Só há o registro de solicitação de atendimento para registrar Boletim de Ocorrência porque um cliente não tinha dinheiro para pagar a conta.


Utilização do cartão


O Ministério do Desenvolvimento Social explicou que o cartão do Bolsa Família não é um cartão de débito ou crédito, só deve ser utilizado para sacar valores em bancos ou lotéricas.


As regras do programa informam que cada família pode definir como gastar o dinheiro recebido pelo benefício.


O Bolsa Família


De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Programa Bolsa Família atende famílias que vivem em situação de pobreza e de extrema pobreza. Podem receber o benefício famílias com renda, por pessoa, de até R$ 85 mensais e famílias com renda por pessoa entre R$ 85,01 e R$ 170, desde que tenham crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos.


O valor que a família recebe por mês pode ter a soma de diferentes benefícios. O benefício básico é de R$ 89, mas famílias extremamente pobres podem receber até outros cinco benefícios variáveis, com valores entre R$ 41 e R$ 89.



As famílias entram no programa após a inscrição no Cadastro Único e uma seleção por um sistema informatizado a partir dos dados cadastrados.


Ainda conforme o MDS as famílias selecionadas recebem o Cartão Bolsa Família, emitido pela Caixa Econômica Federal.


O programa tem mecanismos de controle para manter o foco nas famílias que vivem em condição de pobreza e de extrema pobreza. Por isso, periodicamente saem famílias do programa, principalmente porque não atualizaram as informações cadastrais ou porque melhoraram de renda, não se adequando mais ao perfil para receber o benefício.


Descumprimento de compromissos nas áreas de educação e de saúde também pode levar ao cancelamento do benefício.